21 de agosto de 2011

Missões e família

Numa das últimas lições de escola dominical que dei aos jovens antes das minhas férias, falámos sobre missionários e, a dada altura, dizia a revista algo como isto: "os missionários abdicam de viver com os seus familiares para cuidar dos nossos familiares". Esta frase bateu-me no fundo do coração. Conheço-a bem. E não é apenas no momento em que o missionário parte para o campo missionário que esta separação dói. Eu pensava que era apenas nesse momento, mas não. Com o passar dos anos, vemos os nossos pais envelhecer, com tudo o que esse processo envolve, e não podemos estar lá, não podemos cuidar deles. Por vezes somos tentados a pensar que "se estivessemos lá... talvez não acontecesse isto ou aquilo". Com o passar dos anos, a separação agora não é apenas entre nós e a família, mas também entre os nossos filhos, nascidos no campo missionário, e a família. É difícil. Mas, em obediência ao Pai, perseveramos onde Ele nos quer e oramos pela família. Fielmente, com todo o amor, o Senhor tem cuidado da nossa família. Certamente melhor do que nós cuidariamos se o fizessemos com as nossas mãos. Vi, por exemplo, a Mão do Senhor quando a minha mãe adoeceu com um cancro que, entretanto, foi milagrosamente extinto há cerca de um ano e pouco. Vejo novamente a Mão do Senhor quando soube que foi aberto um trabalho missionário no bairro dos meus sogros e que a minha sogra, católica, tem ído aos cultos. E sente-se bem, diz gostar muito. Arrepiante. Deus cuida. E com muito amor. Oramos para que esta separação dos nossos familiares seja apenas por um punhado de anos e que todos eles venham a viver, um dia, eternamente connosco, na presença do Senhor.

12 comentários:

Anónimo disse...

Adriana,
Primeiro peço desculpar por querer manter-me no anonimato. Não nos conhecemos, mas prefiro assim.
Há muito tempo que a leio e tem-me crescido a ideia de que a Adriana pensa que o seu Deus é melhor que o dos outros. Deus é sempre o mesmo, as religiões é que têm preceitos diferentes. A sua sogra não é melhor nem pior por ser católica. Aliás cada pessoa é como é. Esta questão de irem buscar pessoas para a vossa religião, para que se salvem, não tem sentido nenhum. As pessoas salvam-se pela sua bondade até e independentemente das religiões. Era isto.

susana fraga disse...

Oi
Meus queridos, não vos conheço mas "reconhece mo nos" no Senhor. Não tenho duvida que tratando vocês das "coisas" do Senhor o Senhor tratará das v/ "coisas" (e bem melhor, nós certamente com muita frequencia só atrapalhamos o trabalho dEle).Ele é fiel. O v/ trabalho é muito precioso, saberão disso mais exactamente lá, na Glória (aonde espero conhecer vos).
Cá fico, estão nas minhas orações.
Um abraço

Cecilia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cecilia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cecilia disse...

Caro (a ) anónimo (a)

Inevitavelmente tenho de discordar quando diz que " as pessoas salvam-se pela sua bondade...". Ai de nós, míseros pecadores, se assim fosse!!! Deixo-lhe alguns versículos bíblicos que provam que a salvação vem pela fé em Cristo Jesus, caso tenha interesse em aprofundar o assunto( Romanos 3:23; Efésios 2:8; Romanos 6:23 e João 3:16 ).
Que Deus o(a) abençoe!

Anónimo disse...

Cara Cecília,
Discorde à vontade, claro.
Devo sentir-me horrível por ser uma mísera pecadora?
Nós fomos criados à imagem e semelhança de Deus e devemos amar o próximo como a nós mesmos, certo? Então temos de carregar esse horrível calvário de sermos uns pecadores?
Bem, mas indo pela sua teoria, estou salva, porque sou crente. Pobres ateus..

Adriana disse...

Cara leitora,
Li atentamente o seu comentário. Compreendo o que diz e a forma como sente este tema. E respeito-a. A qualidade de “católico” que refiro no post é aquela fé cultural, o chamado católico não praticante, como é o caso.
Na nossa sociedade existe a ideia de que todos somos filhos de Deus e que todos os caminhos vão dar a Deus, porém, essa não é a perspectiva bíblica, em que creio. De facto, Deus ama a todos, porém filhos/salvos são apenas aqueles que crêem em Cristo, que se arrependem do pecado, e que se comprometem a viver de uma forma diferente, praticando a fé cristã. A Bíblia diz em João 1:12 que “…a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus”.
É nesta perspectiva bíblica que creio, respeitando, naturalmente, quem não crê da mesma forma.
Curiosamente, a igreja a que a minha sogra está a ir não é a mesma que a nossa. Porém, ali é ensinada a perspectiva bíblica da Salvação, o que me deixa muito feliz.

Adriana disse...

Susana: obrigada, querida. Quem sabe, um dia, ainda nos encontramos? beijinhos.

Cecília: um abraço aos 4. Tudo a correr bem!

Anónimo disse...

Obrigada pela compreensão, pelo respeito e pelos esclarecimentos.

Cecilia disse...

Saudades :)

Avozinha disse...

Querida Adriana: sendo filha de pastor, compreendo perfeitamente aquilo de que vocês abdicam para seguir a Chamada. É só para agradecer a vossa dedicação, já que vocês são os nossos pés.

Adriana disse...

Tão bonito, avozinha. Obrigada por essa imagem que me deixou "os nossos pés". E nós nada "caminharíamos" sm as vossas orações. Muito obrigada também. Somos um no Pai. Abraço.