29 de maio de 2010

2 anos

Fez ontem dois anos que recebemos este presente lindo de Deus. A nossa filha. Linda, meiga, esperta e muito vaidosa. Todos os dias, enriquece as nossas vidas. Amamos-te desmedidamente. Muitas bênçãos sobre a tua vida, filha! E muitas graças a Deus pela nossa Mimi.

17 de maio de 2010

Farmville live

A nossa vizinha (cabra) foi mãe de dois, na 6ªf passada. Na foto, os nossos filhos a presenciar o momento. Privilégios de quem vive no meio da natureza.

12 de maio de 2010

Dia das Mães - testemunho

No domingo passado, celebrámos o Dia das Mães e o meu marido pediu-me para dar um testemunho sobre a minha mãe, na igreja. Não me recordo de tudo o que disse (saiu do coração), mas deixo-vos aqui (e especialmente a ti, mãe) o meu testemunho:
“Nasci no dia de anos da minha mãe, no dia em fez 26 anos. Por causa disso, e para quem não sabe, também me chamo Celeste, como ela. A minha mãe diz sempre que eu fui uma prenda. Quando eu era bebé, a minha mãe dedicou-me ao Senhor, na Assembleia de Deus, igreja de que ela e o meu pai eram membros. Guardo com muito carinho a foto da minha dedicação: eu com uma chucha enorme, ao colo da minha mãe, sendo dedicada ao Senhor. Penso que esta foi uma das coisas mais importantes que a minha mãe fez por mim: dedicar-me a Deus. Nós, pais, somos imperfeitos e por mais que queiramos fazer o melhor aos nossos filhos, vamos falhar. Mas, se os entregarmos a Deus, o Senhor vai cuidar deles, vai completar aquilo que não conseguimos fazer e, então, podemos ter paz. Quando eu era pequena, a minha mãe era a mais bonita das mães. Hoje todas as mães são bonitas, mas quando eu era pequena, as mães eram todas iguais, rechonchudas, vestidas de preto. A minha mãe não. Sempre gostou de se vestir e calçar bem, sempre elegante. A minha mãe foi sempre muito lutadora, muito trabalhadora. Numa altura em que ainda era comum muitas mulheres não trabalharem fora de casa, a minha mãe montou o seu próprio negócio. Comprava, vendia, negociava. Sempre incentivou muito os três filhos a estudar e a tirar um curso superior. E Deus honrou-a: os três completaram os estudos. E ela tem muita vaidade nisso. Ainda hoje quando me envia uma carta, dirige-a à “Dra. Adriana”, apesar de eu não gostar nada destas coisas. Na juventude, não a compreendia muito bem. Ela não me deixava sair. Aliás, deixava se ela também fosse comigo. Depois de eu ser mãe, consegui compreendê-la melhor e o meu amor por ela tornou-se mais forte. Não sei explicar muito bem isto, mas é o que se passou. Quando casei e mudei-me para longe dela, primeiro para Lisboa e depois para os Açores, para acompanhar o meu marido no ministério, foi muito difícil para ela, sei que foi. Mas ela aceitou. Hoje a minha mãe está a passar por uma luta grande, está doente, mas ela acredita que vai correr tudo bem. Eu também acredito e peço aos irmãos que continuem unidos a nós em oração. De tudo o que possa dizer sobre a minha mãe, o mais importante foi mesmo ela ter-me sempre encaminhado para a igreja, para a Palavra de Deus. Foi o melhor que ela fez por mim.”

10 de maio de 2010

Glorioso

"O Benfica ganhou esta cidade!"
(comentário do meu filho, ontem, perante a festa benfiquista)

6 de maio de 2010

Humor açoriano - "Já tirou o papelinho?"

video

Buraco negro

Eu não gosto nada que o meu marido tenha apelidado a minha mala de “buraco negro” (no sentido de que absorve tudo). A meu ver as milhentas coisas que tenho na minha mala têm todas uma explicação lógica para lá estar e, enfim, eu oriento-me. Porém, desde que o meu marido encontrou, recentemente, dentro da dita mala, um telemóvel que eu havia perdido há meses, tendo inclusivamente já pedido uma 2ª via do cartão, que usava noutro aparelho (mais humilde), tive de corar de vergonha e render-me às evidências. A minha mala é mesmo um buraco negro.

Diálogos

Enquanto arrumava umas coisas na sala, o meu filho, sentado ao computador, fazia um jogo interactivo. No final do jogo, o computador pergunta-lhe:
-"Queres jogar mais uma vez?"
E, inesperadamente, ouço-o responder ao computador: -"Não, não, obrigado. Esse jogo é um bocado saturante."
(parti-me a rir)

Mimos de Pai

Já aqui tenho escrito que não acredito muito em coincidências. E, ontem, num dia tão difícil para mim, recebi uma notícia muito boa. Ao final da tarde, fui chamada para receber a minha avaliação de desempenho do ano passado. Tive uma nota muito boa, não esperava tanto. Foi muito motivador. Principalmente pela nota que tive em relacionamento interpessoal. Isso foi muito importante para mim, pois é nesse ponto que está o meu testemunho cristão. Foi uma alegria muito grande. Um miminho de Deus, para terminar o meu dia a sorrir.

5 de maio de 2010

Há dias mais fáceis, há dias mais difíceis. A quarta-feira é um dia especialmente difícil de viver longe de ti. O meu pensamento foge constantemente para aí. É difícil concentrar-me no meu trabalho. É difícil concentrar-me no que quer que seja. Queria estar agora contigo no IPO, enquanto fazes os tratamentos. Talvez não adiantasse de muito, pois provavelmente não me deixariam entrar e teria de ficar na sala de espera o dia todo. Mas estar aqui, com este mar imenso a separar-nos, é uma dor. Resta-me orar por ti. E logo, quando te telefonar, sei que vais atender com o teu “Olá” bem-disposto e confiante, e vais dizer-me que correu tudo bem e que não sentes nada de especial. Sinto muito o poder da oração no teu “Olá”, sabias? Está muita gente a interceder por ti. Vai correr tudo bem. Lembra-te que “tu com o Senhor és maioria absoluta”, como escreveste na dedicatória do meu livro de curso. Não estou aí, mas estou. Podes ter a certeza que estou. Um abraço gigante, mamã.

3 de maio de 2010

A nova sala



-“Mamã, quando é que vamos à igreja?”
-“Quando é que queres ir?” – pergunto-lhe de volta, já a antever a resposta dele.
Resposta: “Agora!”
A razão deste desejo tão grande que o meu filho tem de ir à igreja tem a ver com a nova decoração da sala das crianças. Uma equipa formada pelos professores das crianças, alguns jovens e outros irmãos voluntários, uniu-se para redecorar a sala dos mais pequeninos. Com poucos recursos, mas com muita imaginação, pintaram a sala, os móveis, decoraram o candeeiro com bonequinhos, colocaram novas cortinas, tudo com muito gosto. As crianças da igreja estão felicíssimas com a sua sala. Não se tiram de lá.
Também eu estou muito feliz, em especial pela iniciativa deste grupo de irmãos, que voluntariamente deram do seu tempo para estar ali a trabalhar (chegaram a ficar até às onze da noite a pintar), apenas por amor a Deus e ao ministério com crianças.
Que o Senhor muito abençoe estes irmãos e estas crianças.