13 de novembro de 2014

Ainda sobre o Pastor Oliveira

Andei o dia todo a ganhar coragem para lhes contar o que tinha acontecido. Não sabia mesmo como lhes dizer. Os meus filhos sabem perfeitamente o que significa “ir para o Céu”, pois ainda há pouco mais de 2 anos passaram pela despedida da avó Celeste. Eles conhecem bem o sabor amargo de deixar de ter alguém que amamos no nosso dia-a-dia. E mais, eu sabia o quanto eles gostavam do Pastor Oliveira.
Já ao final do dia, sentados no sofá, disse-lhes que tinha uma notícia para lhes dar. A minha filha, imediatamente, abriu muito os olhos e esboçou um sorriso radiante, pensando que ía ouvir da minha boca aquilo que me pede quase diariamente. Mas, percebendo a sua expressão, logo lhe respondi: “Não, Mariana, a mamã não vai ter um bebé.” Disse-lhes então que a notícia era um pouco triste, apesar de também ser feliz. “O Pastor Oliveira foi para o Céu… foi viver com Jesus.” Com o semblante triste, até aceitaram bem a notícia. Mas a reação do meu filho mais velho, partiu-me o coração. Ele disse assim: “Foi para o Céu?... Mas, ele era meu amigo…”. O nosso filho “perdeu” todos os seus amigos quando nos mudámos dos Açores para cá. Neste último ano e meio, tem procurado, a pouco e pouco, reconstruir o seu mundo de amizades. Mas não tem sido fácil, pois as amizades que ele tinha vinham desde o berço, eram laços fortes. O pastor Oliveira, curiosamente, era especialmente carinhoso para com o nosso filho mais velho. Dava-lhe chocolates e, volta e meia, ele aparecia com notas. “- Mamã, já podemos ir almoçar ao Chinês!” – disse-me um dia, muito feliz, enquanto exibia uma nota de cinco euros. “- Quem te deu essa nota?” E ele respondia: “- Foi o pastor velhinho”. Expliquei-lhe que o pastor estava muito doente e que agora no Céu já não estava mais doente, mas que estava feliz com o nosso Deus. Ficou mais consolado. Mas, logo suspirou: “E os chocolates? Quem é que nos vai dar chocolates? …” Acabámos todos por sorrir com a história dos chocolates.
Quando os deitei, pedi à minha filha que orasse, pois tinha um nó enorme na garganta. E as crianças são incríveis… Eu, que sou adulta e que sei tantas coisas, é que devia ter feito a oração que ela fez e com a atitude com que ela a fez. De olhos fechados, dirigidos pela Mariana, ouço-a dizer na sua doçura infinita: “Senhor, estamos tão felizes com a notícia de que o Pastor Oliveira já está contigo no Céu! Esperamos que ele possa sentir-se muito bem aí! Senhor, faz com que ele que seja muito feliz no Céu! E faz também com que a irmã Lídia não fique triste. Que ela possa continuar sempre a orar pelas pessoas e a ser amiga das pessoas.” Sem palavras. Jesus tinha muita razão quando disse que temos de ser como as crianças. Que o Senhor nos console.

9 comentários:

Avozinha disse...

Ouvi dizer que já há alguém encarregado dos chocolates...

Ana Rute Cavaco disse...

As reacções aqui foram diversas, embora todas com muita tristeza:

Maria: "Ainda nem gastámos a última nota que ele nos deu e ele já cá não está".

e

"Ainda no outro dia ele me disse: ainda bem que vocês foram lá para a Segunda Igreja, foi muito bom para eles. Sabes, eu tive pena quando o vosso pai saiu de Queluz, mas foi melhor assim..."

Joaquim: "Ele era tão querido..."

Marta: "Nem acredito que nunca mais vou ver o Pastor João Rosa." (pausa) "Estamos aqui todos tristes e ele tão feliz..."

Ana Rute Cavaco disse...

E agora, ao fim de anos a orar pelo Pastor João Rosa, as línguas tropeçam ao substituir pelo consolo à D. Lídia.

Adriana disse...

Os teus filhos são muito queridos, Ana Rute.
Avozinha, também já me constou que vamos ter substituto :))

Patrícia disse...

A tia dá-lhe chocolates ;)

Jónatas Lopes disse...

Deus usa os nossos filhos. Não tenho dúvidas.

Filipa disse...

O desenho da Mariana é delicioso!

Anónimo disse...

o que é que vos aconteceu?

Adriana disse...

A nós não nos aconteceu nada. Este post é sobre um amigo nosso que faleceu.