11 de novembro de 2014

Pastor Oliveira

Nunca esquecerei aquele dia, que acabou por ser o último dia em que estive com o Pastor João Rosa de Oliveira. Pela manhã, entrei no seu quarto, acompanhando o meu marido, e vimo-lo deitado na cama, muito enfraquecido. Era notório que estava bastante mais doente do que há um punhado de dias atrás. Porém, contente de nos ver, e ignorando completamente o nosso pedido, bem como o da esposa, para que permanecesse deitado, fez um esforço e sentou-se na beira da cama, ainda com um rasgo de energia inexplicável. "-Veio ver o pastor velho?" - disse-me em tom de brincadeira (pois costumava dizer aos nossos filhos que o meu marido era o pastor novo e que ele era o pastor velho). Dali a instantes, deu-me um cd para a mão e pediu-me que o pusesse a tocar no leitor que tinha ao lado da cama. Fiz como me pediu. Ficámos por momentos em silêncio a aguardar que música começasse a tocar. Ouvem-se os primeiros acordes, o som era suave… Olho para o Pastor Oliveira e vejo-o de olhos fechados, com um sorriso muito rasgado. Que expressão inesquecível! Era assim que ele fazia quando sentia as coisas no coração. Até falava e pregava muitas vezes com esta expressão. E a música iniciava assim: 

Há uma terra além do Rio
Que chamamos doce eterna
E somente alcançaremos pela Fé
Um a um de entrar havemos
Nesse lar de bens supremos
Quando o Salvador chamar a mim e a ti. 

Procurámos controlar a emoção (algo tão difícil de fazer quando amamos uma pessoa), e, ainda meio atordoados, ouvimo-lo dizer-nos que sentia muita alegria por saber que estava prestes a ir para o Céu. “Quero muita música na minha despedida! Muita alegria!” Dali a pouco, pediu uma partitura à sua esposa, D. Lídia. Diz-nos que foi o seu saudoso cunhado, Pastor Daniel Machado, quem traduziu aquele hino.
E, já cansadíssimo, ignorando mais uma vez os nossos apelos para que não se cansasse, começa a cantar este hino: “Aleluia! Aleluia! Corações ao céu bradai/ Entoando alegre hino de louvor ao Deus que é pai / E ao que sobre a cruz seu sangue/ Pra nos salvar derramou/ Jesus Cristo o Rei da glória que a morte aniquilou!” Inesquecível este momento! Já no final da visita, orámos todos juntos. Ao sair do quarto, ainda voltei atrás para o tapar, pois vi que se tinha voltado a deitar e que não tinha puxado as cobertas. “- Descanse bem, Pastor”- foram as minhas últimas palavras. “Obrigadinha!” – respondeu-me.
Nesse dia, nem me consegui concentrar bem no trabalho, por causa de tudo o que vi e ouvi naquela visita. O Pastor Oliveira era uma pessoa que nos tocava o coração. Não apenas por causa das suas palavras, mas muito pelas suas expressões tão genuínas. Ele estava preparado. Mais do que isso, ele estava desejoso pelo seu encontro com Deus.
Hoje, estou profundamente emocionada com a sua partida para glória. As palavras parecem-me todas muito pequenas para transpor a amizade, a gratidão e a saudade que este querido pastor vai deixar nos nossos corações. Já está no gozo do Senhor!

8 comentários:

Anónimo disse...

Um bonito exemplo!

Ana Rute Cavaco disse...

As saudades que ele deixa!

Patrícia disse...

É que não há palavras para descrever alguém tão singular! Muitas saudades, mesmo!

Anónimo disse...

Não posso negar que apesar de saber que o pastor Oliveira está na glória do pai me deixa muitas saudades.
Aos meus 65 anos de idade confesso que me magoa muito o facto de não o poder mais abraçar, falar com ele, ouvir os seus sábios conselhos, ser visitado por ele no meu local de trabalho sempre com uma palavra simpática e amiga. Nunca falhou no meu aniversário, dos meus filhos ou da minha esposa, sempre com o tradicinal chocolate ou com um CD. Hoje não consegui esquecer o pastor Oliveira, bate fundo a sua ausencia, aausencia de um grande amigo que tinha uma fé gigantesca que refletia Cristo em todos os planos. Há em mim um misto de alegria e tristesa por ter tido o pastor aqui e por ele ter partido.Saul Ramos

Adriana disse...

Querido irmão Saul, nós que só convivíamos com ele há um ano e 9 meses já sentimos tanto pela sua partida, imagino o sentimento de quem o teve nas suas vidas durante dezenas de anos. Receba um abraço amigo da nossa parte. Estamos a orar por consolo do Senhor. (E bem-vindo ao meu blogue! :)

Jónatas Lopes disse...

Que testemunho de vida.
A minha oração foi "Senhor permite que seja assim fiel até ao fim".
Obrigado pela partilha.

Jónatas Lopes disse...

Que testemunho de vida.
A minha oração foi "Senhor permite que seja assim fiel até ao fim".
Obrigado pela partilha.

Avozinha disse...

"Bem está, servo bom e fiel. Foste fiel no pouco, sobre o muito te colocarei".